Universidade Federal do Pará
Quarta-feira, 05 de Agosto de 2020

Sugestões/Comentários

Quem está Online?

Nós temos 155 visitantes online

Quantos Viram Isto?

Visualizações de Conteúdo : 375562

Home Dissertações Dissertações 1983 - ALVEZ, José Geraldo das V.

 

ALVEZ, José Geraldo das V. Desenvolvimento de um magnetometro a precessão nuclear. 1984, 102f.  Dissertação (Mestrado em Geofísica)- Curso de Pós- Graduação em Ciências Geofísicas e Geológicas, Universidade Federal do Pará, Belém, 1983.

 

RESUMO

O objetivo desta tese foi desenvolver um magnetômetro à precessão nuclear para prospecção geofísica e estações- base magnéticas.

O magnetômetro à precessão nuclear mede a inten­sidade total do campo magnético. Seu funcionamento é baseado na ressonância magnética nuclear. A medida de campo é feita pela de terminação da frequência de precessão de núcleos de hidrogênio - prótons de líquidos não viscosos no campo magnético terrestre.

O magnetômetro é constituído de duas partes: o sensor e o instrumento de medida. O sensor é uma bobina solenoidal, cujo núcleo é preenchido com o líquido. Três líquidos diferentes foram testados; água, propanol e um querosene sintético. Optou-se pelo uso do querosene porque oferece maior amplitude no sinal de precessão, dando, consequentemente, maior relação sinal/ruído.

O sistema de medida contém os circuitos de sinto­nia e amplificação do sinal e, os circuitos lógicos para a programação da operação e contagem da frequência de precessão.

Cada ciclo de medida tem duração de 3 segundos, sendo 2,3s para a polarização e 0,7s para a recepção do sinal São possíveis dois modos de operação: manual, reciclando automaticamente e por controle remoto.

O sinal de precessão é amplificado seletivamente

em uma das 14 faixas de sintonia, que cobrem medidas entre 22000 e 95000 gammas. A frequência de precessão é multiplicada por um fator de 64 e contada durante um tempo igual a 0,36699s, determinado com base na razão giromagnética do próton. O número de pul­sos contados é numericamente igual ao valor do campo magnético em gammas.

A resposta pode ser lida em mostradores digitais ou na saída BCD paralela quando operando por controle remoto. A precisão da medida é de 1 gamma.

O instrumento foi testado no campo para avaliar a relação sinal/ruído, gradiente suportável e consumo de potência. Nos testes de aplicação do protótipo, foram obtidos dados de variação diurna e realizaram-se levantamentos magnéticos de reconhecimento e detalhe em um sítio arqueológico na Ilha de      Marajó Pará.

As respostas dos testes foram comparadas com dois magnetômetros comerciais- o GP-70, McPhar e o G-816, Geometrics e, ainda, com dados do Observatório Magnético de Tatuoca-Pa. Em todos os casos, a comparação dos dados mostrou bom desempenho do magnetômetro em teste.

 

Texto Completo

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Qual a sua avaliação para o CEMIG?
 
© 2012 - Instituto de Geociências - Universidade Federal do Pará
Centro de Memórias do Instituto de Geociências
Tel: (91) 3201-7476 • E-mail: cemig@ufpa.br